quarta-feira, 18 de setembro de 2013

SE É DE DEUS, VAI SE CUMPRIR!

Você já deve ter ouvido esta frase nos círculos pentecostais e neopentecostais... Embora soe precisamente como um versículo extraído da 2ª Epístola do profeta Erezias, torna-se pouco a pouco mais uma das verdades gospel de nossos dias, daquelas que não estão na Bíblia por uma falha de Deus, pois deveriam estar!

Você acaba de receber uma profecia vinda da boca de um dos muitos “profetas” que pululam por aí. Ainda um pouco cético acerca do que lhe foi entregue em nome do Senhor, você cria coragem e diz: “― Se é de Deus, vai se cumprir!”, e se sente como se tivesse dado uma tapa no rosto do “profeta” caso a mensagem entregue não tenha sido de Deus...

Não canso de repetir: sou Pentecostal bíblico (daqueles que creem firmemente que o Espírito que nos foi dado no Pentecostes não contradiz o que está escrito, daqueles que, à moda de Beréia, vão às Escrituras para ver se as coisas são mesmo assim!), creio em profecias e respeito os profetas. Já fui alvo de muitas mensagens vindas de Deus, as quais se cumpriram para a glória do Senhor. Mas já fui também “vítima” de outro tanto, que não se cumpriram. Perdi as contas das chaves de carro que já recebi “das mãos do Senhor”, e nenhuma me chegou às mãos até hoje... Certo “profeta” me mandou certa vez cavar um buraco de uns 3 metros de profundidade em minha sala de visitas, pois havia um tesouro enterrado lá! Será?? Pelo sim, pelo não, nem me dei ao trabalho de tal escavação!!

Não podemos fechar os nossos olhos para o FATO de que falsos profetas existem. Desde os tempos do Antigo Testamento eles são citados; Já nos tempos de Samuel, inquestionável profeta do Senhor, as Escrituras mostram que seus filhos e naturais sucessores no ofício sacerdotal e profético não andavam pelos mesmos caminhos que o pai (1 Sm 8:5). A Bíblia relata ainda que nos tempos do profeta Mica havia muitos falsos profetas, e nos dá inclusive seu número: quase quatrocentos (1 Rs 22:1-28), todos profetizando vitória, mas só Mica trouxe a verdadeira Palavra do Senhor, contrariando a todos. A palavra de um profeta do Senhor nem sempre é agradável...

Nos tempos de Jeremias também havia falsos profetas que profetizavam libertação do jugo da Babilônia, a ponto de ele precisar enfrentar um de nome Hananias (Jr 28). Após o relato deste confronto e a morte do falso profeta, o Senhor fala por sua boca, dizendo: “Não vos enganem os vossos profetas que estão no meio de vós, nem os vossos adivinhos, nem deis ouvidos aos vossos sonhos, que sonhais: Porque eles vos profetizam falsamente em meu nome: não os enviei, diz o Senhor” (Jr 29:8-9).

No Novo Testamento não é diferente, e embora raramente sejam citados nomes, tanto o Senhor como os apóstolos alertaram que muitos falsos profetas já se espalhavam pelo mundo (Mt 24:3-11; 1 Jo 4:1; Ap 2:20), exortando-nos à vigilância constante.

A frase “se é de Deus, vai se cumprir” além de ser extrabíblica é antibíblica e extremamente perigosa! É da mesma origem herética de “se a cura vier, é de Deus”, ou “se cair e levantar transformado, foi Deus”, esta última defendida por um famoso telepastor tupiniquim no polêmico caso da “unção do cai-cai”. A coisa não é bem assim! Pode haver cura, e não ser de Deus! Pode haver transformação pós-cai-cai, e não ser Deus! Pode se cumprir a palavra profética, e não ser de Deus!

Um grande exemplo disso eu tenho no seio de minha família. Um irmão consanguíneo buscou em médicos e até mesmo em Igrejas a cura de um glaucoma sério, que o estava levando à perda da visão. Encontrou a cura em um centro espírita kardecista. Cura total, através de uma “cirurgia espiritual”! Conheço outros exemplos de curas em ambientes católicos romanos e até mesmo candomblecistas. Obviamente, estas curas não vieram de Deus, e ainda conseguiram a façanha de afastar os beneficiários das curas do Evangelho da Graça de Deus... E aí?? Se a cura vier, é de Deus mesmo??

Ainda nos tempos de Moisés, o Senhor já alertava Seu povo: “Quando profeta ou sonhador de sonhos se levantar no meio de ti, e te der um sinal ou prodígio, e AO SUCEDER O TAL SINAL OU PRODÍGIO, de que te houver falado, lhe disser: Vamos após outros deuses, que não conheceste, e sirvamo-los; NÃO OUVIRÁS AS PALAVRAS DESTE PROFETA ou sonhador de sonhos; porquanto O SENHOR, VOSSO DEUS, VOS PROVA, para saber se amais o Senhor, vosso Deus, com todo o vosso coração, e com toda a vossa alma. Após o Senhor, vosso Deus, andareis, e a ele temereis, e os seus mandamentos guardareis, e a sua voz ouvireis, e a ele servireis, e a ele vos achegareis. E AQUELE PROFETA ou sonhador de sonhos MORRERÁ, pois falou REBELDIA CONTRA O SENHOR vosso Deus, que vos tirou da terra do Egito, e vos resgatou da casa da servidão, PARA TE AFASTAR DO CAMINHO que te ordenou o Senhor, teu Deus, para andares nele: assim TIRARÁS O MAL DO MEIO DE TI” (Dt 13:1-5 grifos meus).

A verdade é que se for de Deus se cumpre, mas nem tudo o que se cumpre prova que era de Deus! Principalmente quando:

1.     A PROFECIA VAI DE ENCONTRO ÀS ESCRITURAS, CONTRARIANDO-AS – Certa vez um profeta “profetizou” que eu e minha esposa iríamos viajar, mas para locais diferentes, para fazermos a obra de Deus, só que separados! Só nos reencontraríamos depois de um ano! Ora, conhecendo muito bem a minha natureza carnal e meu apetite sexual, e considerando mais ainda as Escrituras que prescrevem acerca do casamento que “Não vos afasteis um ao outro, senão por consentimento mútuo, por algum tempo, para vos aplicardes à oração; e, depois, ajuntai-vos outra vez, para que Satanás vos não tente pela vossa incontinência” (1 Co 7:5), rejeitei rapidinho aquela “palavra profética”!

2.     A PROFECIA NOS LEVA A FAZER ALGO CONTRA A VONTADE DE DEUS – Conheço muitos casamentos fracassados, casais que moram debaixo do mesmo teto cheios de amargura porque deram ouvidos a “profetas” que profetizaram que um era o escolhido para o outro. Casaram com as pessoas erradas, sem ao menos se darem ao trabalho de namorar e noivar por um tempo suficiente para se conhecerem um ao outro... É bem possível que você, que lê este artigo, se enquadre nesta situação terrível...

3.     A PROFECIA NOS AFASTA DE DEUS – É o caso típico do “profeta” citado por Moisés... A profecia se cumpre e o “profeta” ganha fama e status... Com a autoridade que este status lhe confere, começa a ensinar doutrinas e práticas estranhas à Bíblia. Passamos a dar mais ouvidos à voz do “profeta” do que à voz do Senhor, principalmente a disposta nas Escrituras; afinal, o cara profetiza e se cumpre! É a prova de que Deus está com ele!! Ledo engano! Este é o caso mais comum em nosso meio. Um sinal dado por um falso profeta, quando se cumpre, concede a glória ao PROFETA, e não a Deus, e ele passa a ensinar e passar para a Igreja aquilo que as Escrituras não ensinam, ou exatamente aquilo que as Escrituras nos mandam evitar a todo custo! Não é exatamente isso que mais tem ocorrido em nossos dias?

A postura de um crente não é falar tal frase, e sim, ao menor sinal de quaisquer destas características confrontar o “profeta” com as Escrituras! Fazê-lo passar vergonha mesmo! Talvez assim, após pagar um mico-leão-dourado do tamanho do King Kong, os falsos profetas criem um pouco de temor de Deus, tomem vergonha na cara e deixem de falar bobagens e mentiras em nome do Senhor!

Os DETRANs de todo o Brasil já ensinam há muitos anos, em placas nos acostamentos das nossas rodovias: “NA DÚVIDA, NÃO ULTRAPASSE”. Isto nos remete inexoravelmente à orientação paulina de que “não ultrapasseis o que está escrito” (1 Co 4:6). A verdade é que SE É DE DEUS, PRIMEIRO VAI CONCORDAR COM AS ESCRITURAS;  DEPOIS, SE CUMPRIRÁ. Simples assim!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua visita ao meu blog. Fique a vontade para comentar os arquivos aqui postados. Eis as regras:

1. Aqui se criticam IDEIAS e ATITUDES ERRADAS, e não PESSOAS. Se você está a fim de criticar pessoas, seu lugar não é aqui.

2. Pode discordar a vontade das minhas ideias e postagens. Eu não sou o dono da verdade, e quero aprender com você. Mas quando o fizer, use linguagem respeitosa, apresente embasamento bíblico dentro do contexto, e/ou uma argumentação lógica e equilibrada;

3. Identifique-se, pois dificilmente eu publicarei postagens anônimas, exceto as que eu achar convenientes e pertinentes;

4. Não xingue! Não use palavras de baixo calão! Não me venha com frases burras do tipo "não toqueis nos ungidos", "não julgue para não ser julgado",e outros argumentos bestas, de quem não tem argumentação e quer calar os opositores na marra. Não me dobro diante de argumentos desta qualidade!

5. Não toque no passado das pessoas, seja o meu ou de quem quer que seja, com o intuito de tentar desmoralizar, mesmo que sejam as pessoas que eu estou criticando!. Eu tenho um passado podre, se vc não sabe, mas ele está debaixo do sangue de Jesus, e nenhuma condenação há para mim. O mesmo se aplica a qualquer um, mormente aqueles que já afirmaram ter se arrependido.

Deus te abençoe!