sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

COMO LER A BÍBLIA, INTERPRETÁ-LA E ENSINÁ-LA



Quando a Reforma Protestante instituiu como um dos seus pilares a autoridade do leigo em ler e interpretar as Escrituras, evidentemente esta leitura e interpretação deveriam seguir regras básicas, para que fossem feitas de forma coerente e responsável. A Bíblia não é livro filosófico, que pode ser interpretada ao bel prazer do filósofo. É livro de Deus, que deve ser interpretado de acordo com a óptica de Seu Escritor.

Quem quer ser pedreiro, deve aprender o básico desta arte. Já tentou fazer um serviço elétrico dentro de casa sem ter qualquer noção de eletricidade? O desastre será certo. Há muito tempo fui dar uma de eletricista em minha casa, e quase causei um incêndio com um curto-circuito! Mas não desisti. Aprendi noções de eletricidade, e hoje estou apto a fazer uma instalação monofásica. Na casa aonde moro atualmente e a casa de uma das minhas filhas, toda a instalação foi feita por mim...

Achar que podemos interpretar as Escrituras de acordo com nosso bel-prazer, com nossos achismos, é desastre certo, assim como tentar fazer reforma na casa sem conhecimentos do ofício de pedreiro, assim como fazer uma instalação elétrica sem conhecimentos na área. Ignorar os princípios da boa Teologia (que os Reformadores usaram) é muito mais que irresponsabilidade. É blasfêmia mesmo. É insultar o Autor da Bíblia.

REQUISITOS PARA LER A BÍBLIA -- PRIMEIRO LER, DEPOIS ENTENDER E FINALMENTE ENSINAR!

1. APRENDA A LER!

Você já assistiu algum episódio do CHAVES aonde ele está lendo alguma coisa? Vá ao Youtube e digite "Chaves lendo" e confira alguns... O coitadinho não sabe ler, e confunde todas as palavras e frases. É hilário! Acreditem: existe muita gente assim em relação à leitura da Bíblia! E o pior: não sabem ler, mas querem ensinar!!

É importante distinguir entre SABER LER e SABER JUNTAR LETRAS. Saber juntar letras, uma criança de cinco anos muitas vezes já sabe, mas saber ler muitas pessoas que frequentaram a escola e a Universidade nem sempre sabem! Saber ler é ENTENDER o que o texto quer dizer.

A leitura de um texto exige conhecimentos básicos de leitura, entre eles a compreensão do texto, a gramática, o vocabulário e o entendimento daquilo que o autor quis dizer. Se você não consegue ler um texto simples, entender o que a pessoa quis dizer com o que escreveu, inclusive nas entrelinhas, você pode não ser apto para uma leitura! Vai entender tudo errado! Encontramos MUITOS casos de pessoas que não sabem ler nas Redes Sociais, leem uma coisa e entendem outra completamente diferente...

A gramática é o básico. Já vi pessoas lendo o texto de Hebreus 11 que diz "Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem" e ensinando que a primeira coisa que precisamos para ter fé é ORAR, pois o texto começa dizendo "ORA". Sério! Juro que vi.

Vocabulário é fundamental. Quanto mais vocábulos fizerem parte do nosso, melhor! Muitas vezes lemos um texto cujas palavras não são de nosso conhecimento, e consequentemente jamais iremos entender o que está escrito. Muitos em nosso meio ainda tropeçam no texto de 1 Jo 2:15-17, que diz "Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque, tudo o que há no mundo, aconcupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo; E o mundo passa, e a suaconcupiscência..." uma vez que não sabem o que é CONCUPISCÊNCIA e não se dão ao trabalho de ir ao dicionário para aprender...

Compreensão do texto também é fundamental, pois de uma má compreensão se deturpa a ideia transmitida. Não é o que EU QUERO que o texto signifique, mas o que O ESCRITOR QUIS que significasse. Um exemplo clássico disto está em Dt 22:5 que diz "Não haverá roupa de homem na mulher, e não vestirá o homem vestido de mulher; porque, qualquer que faz isto, abominação é ao Senhor, teu Deus", quando muita gente insiste que o texto está falando em CALÇA COMPRIDA...

Entendimento do que o autor quis dizer também é necessário. O que será que o autor quis dizer quando afirmou "Assim me faça o Senhor, e outro tanto...", expressão muito usada no Antigo Testamento? Compreender isto, ou seja, analisar o texto escrito de acordo com a CULTURA do escritor ajuda e muito! Lembre-se: um gaúcho dizendo "barbaridade" é uma coisa, e um paraibano dizendo a mesma palavra é outra...

Então, que tal aprender a ler primeiro, antes de sair por aí ensinando o que não sabe?

2. APRENDA A DISTINGUIR ENTRE O QUE É LITERAL, O QUE SIMBÓLICO, O QUE É POÉTICO...

Tenho uma pessoa na família que leva tudo a sério. Você não pode contar uma anedota, falar uma brincadeira, que ele leva TUDO para o lado da seriedade. Você conhece alguém assim?

No universo dos leitores da Bíblia existem pessoas parecidas, que querem levar (quase) tudo para a literalidade. Entretanto, a Bíblia transmite suas verdades em vários estilos de linguagem, e aqueles que aposentaram o cérebro compulsoriamente não conseguem entender a mensagem satisfatoriamente.

Grande parte da Bíblia foi escrita em linguagem simbólica. A maior parte dos livros proféticos é assim. O próprio Jesus se utilizou de parábolas, simbolismos que transmitiam uma verdade. Tentar literalizar tudo geralmente acaba mal... Há alguns anos uma revista de circulação nacional trouxe a história de um homem que, cansado de suas lutas e tentações na esfera sexual e com base no texto que diz que "se o teu olho te escandalizar, arranca-o..." cortou seu próprio órgão genital...

Jesus usou muito a linguagem simbólica. Ele disse que quem não comer Seu corpo e não beber Seu sangue não tem parte com Ele. A má interpretação disto levou-nos a doutrinas como a transubstanciação, que afirma que no pão e no vinho estão literalmente a carne e o sangue dEle. Muitos "evangélicos" creem que o pão e o vinho da ceia SÃO REALMENTE corpo e sangue...

Há linguagens poéticas na Bíblia, e muitas, que não podem ser interpretadas literalmente. Ou alguém aí acredita mesmo que "as nuvens são o pó dos passos de Deus" (Naum 1:3)? Isso é poesia. Há livros inteiros com linguagem poética, e que precisamos ter cuidado para não interpretarmos tais palavras como literais. Tem muita gente entendendo errado as muitas vezes que Deus nos chama como "a menina do Seu olho" e interpretando na literalidade. Isto, gente, é poesia! Transmite uma verdade não literal!

E como se aprende a diferença entre uma coisa e outra? Lendo. Estudando gramática. Ah... Esqueci que a maioria dos pregadores modernos acham o estudo desnecessário...

3. CONSIDERE O CONHECIMENTO DOS NOSSOS ANTEPASSADOS

Em todas as esferas da vida o conhecimento acumulado pelas gerações passadas é de suma importância para que o conhecimento se acumule de forma progressiva e seja transmitido para as novas gerações. Desde os primórdios da humanidade o homem ingressa em um ramo, aprende e passa o conhecimento para os novos. Se cada vez que um médico cirurgião morresse levasse suas técnicas de cirurgia para o túmulo, estaríamos na mais primitiva das medicinas. O mesmo se dá com o conhecimento bíblico. Antes de nós, homens e mulheres de Deus estudaram as Escrituras e deixaram o seu conhecimento para os mais novos, que por sua vez acrescentaram suas novas descobertas... E assim o conhecimento bíblico chegou ao Século XXI.

Desde os primeiros cristãos, Deus tem levantado homens para estudar as Escrituras e transmitir suas conclusões às gerações posteriores. Ao chegarmos aos Reformadores, é digno observar que eles aproveitaram o conhecimento destes pioneiros do primeiro Século. Evidentemente, nos dias de hoje este mesmo conhecimento é de grande utilidade. Obras do primeiro século ainda são profundamente úteis aos crentes de nossos dias. Desprezar os antigos, crendo e afirmando que somente nós temos a verdade do conhecimento de Deus por “revelação”, é muito mais que arrogância: é desprezo por aqueles que deram seu sangue por causa do saber bíblico. Nem você, e nem o seu pastor, nem seu líder e nem determinada pessoa de sua profunda admiração são os reis da cocada preta. O que você conhece nos dias de hoje, os primeiros apologistas da Igreja do primeiro Século  já estudavam e já deixavam escrito.

4. CONSIDERE A REVELAÇÃO PROGRESSIVA

Ao ler as Escrituras, nunca esqueça do princípio da REVELAÇÃO PROGRESSIVA. Deus foi dando ao homem a Sua revelação através dos Séculos, progredindo até o pleno conhecimento, que se deu com o fechamento das Escrituras do NT. Assim, vemos coisas que parecem contradições, mas são facilmente explicados pela progressão da revelação.

Um exemplo desta progressão é que no AT o casamento podia ser poligâmico, e no NT apenas monogâmico. A alimentação que Deus liberou a Adão foi a vegetariana, mas em Noé já liberou todos os animais, e em Moisés fez distinção entre animais imundos e limpos.

O que Deus revelou no AT, progrediu e alterou no NT. E até no NT há casos de revelaçãoprogressiva. Há coisas que Deus não havia revelado quando Mateus escreveu seu Evangelho, mas revelou a Paulo ou a Pedro mais adiante. Vivemos de conformidade com a mais recente revelação de Deus, lembrando que a revelação se encontra somente na Bíblia.

Os relatos do livro de Atos  ,por exemplo, contam como o Espírito Sando desceu naquele tempo e como ele agia no meio da Igreja. Paulo, falando pelo mesmo Espírito, deixou claro, em revelação progressiva, como o Espírito Santo agia no meio da Igreja, como o crente deveria se comportar no culto, em ordem e decência. Portanto, àqueles que se baseiam em Atos para justificar que o Espírito Santo faz como quer, devem ler 1 Co 12 e 14 para ver como o próprio Espírito Santo inspirou Paulo para colocar ordem no culto ena Igreja.

5. PROCURE APRENDER TEOLOGIA

Podemos chamar o conhecimento bíblico de nossos antepassados de Teologia. Desde os apóstolos (os verdadeiros) a preocupação com o estudo da Palavra é evidente e foi registrado nas Escrituras. Os diáconos foram instituídos exatamente para que os apóstolos não precisassem abandonar o estudo das Escrituras e fossem servir às mesas (At 6:2-4); Paulo, já velho, próximo ao seu martírio se preocupa com os estudos, rogando a Timóteo: “Quando vieres, traze ... os livros, principalmente os pergaminhos” (2 Tm 4:13). O resultado disto é que a DOUTRINA foi estabelecida. Esta doutrina nada mais é que o entendimento dos homens de Deus acerca da Bíblia, organizando as Escrituras em diferentes pontos de vista (estudo do pecado, estudo da salvação, estudo dos anjos etc). Ao relacionarem os temas da Bíblia, deu-se a isto o nome de TEOLOGIA. E embora muitos tenham verdadeira ojeriza por este nome, o fato é que a simples associação de dois ou mais versículos para se defender algum tema já é teologia... Odiar Teologia é odiar a própria Bíblia, pois a tradução da Bíbia com base nos textos mais antigos, a divisão em Antigo e Novo Testamentos, a organização sequencial de seus livros, a divisão em capítulos e versículos e até as divisões internas dos capítulos,  feitos por homens de Deus, é Teologia... Os comentários das Bíblias de Estudo que você possui é Teologia...

Não estamos dizendo que o leitor da Bíblia deve estudar as mais mirabolantes teologias existentes. Isto além de desnecessário é enfadonho. Mas o estudo de uma boa teologia, como a Teologia Sistemática, é O MÍNIMO que se espera de quem deseja bom entendimento das Escrituras. É evidente que Deus não está engessado à Teologia humana, entretanto o homem que a estuda e atenta para seus ensinamentos milenares estará menos propenso a falsos entendimentos e interpretações erradas dos textos bíblicos. Desde os primeiros pais da Igreja, a Teologia vem sendo desenvolvida no passar dos Séculos; evidentemente, dispensar o conhecimento deixado por estes homens de Deus não é uma atitude sábia.

Mas alguém pode dizer: “as principais doutrinas antibíblicas que temos hoje foram originadas por pessoas que estudaram teologia!”. E é verdade! Entretanto, a Teologia dá ao homem o prumo e o nível com que ele deve trabalhar; alguns, entretanto, abandonaram estes instrumentos e passam a trabalhar por conta própria, alegando que os instrumentos atrapalham... É como um eletricista que abandona as luvas de proteção e as ferramentas com cabos isolantes, porque eles atrapalham sua mobilidade... O desastre é certo!

A culpa de pessoas que fizeram teologia criarem heresias não é do ensino teológico, mas de quem abandonou os princípios! Não podemos culpar o curso de medicina se um médico passar a fazer bobagens por aí (como vemos de vez em quando nos noticiários), e sim entender que este médico em particular ABANDONOU os princípios da medicina, e resolveu trabalhar fora dos parâmetros que lhe foram ensinados. O mesmo ocorre com os introdutores de heresias. João chega a afirmar sobre os anticristos: “Filhinhos, é já a última hora; e, como ouvistes que vem o anticristo, também agora muitos se têm feito anticristos; por onde conhecemos que é já a última hora. Saíram de nós, mas não eram de nós; porque, se fossem de nós, ficariam conosco; mas isto é para que se manifestasse que não são todos de nós” (1 Jo 2:18-19). É um perfeito exemplo.

Aqueles que desprezam a boa teologia são exatamente os que querem ficar livres para introduzir “novas verdades” à fé, e principalmente o que lhes der na telha. A Teologia existe exatamente para evitar isso! O primeiro eletricista que escreveu um livro sobre a eletricidade básica não tinha a intenção de se tornar um chato, obrigando todo mundo a fazer somente o que ele ensina, mas ensinar que não devemos juntar os fios “fase” e “neutro”, pois isto dá errado, provoca curto circuito e pode destruir a casa inteira. O bom teólogo ensina as Escrituras de forma que não venhamos a provocar curtos circuitos na sã doutrina. Se você não quer se submeter às suas orientações, certamente você deseja liberdade, não a liberdade do Espírito Santo, mas a SUA LIBERDADE CARNAL, causando um curto circuito que pode trazer muita destruição para o Reino de Deus. Pense nisso!

6. CONSIDERE A HERMENÊUTICA BÍBLICA

A hermenêutica bíblica é o conjunto de normas que regulam a boa interpretação da Bíblia. Ou seja, ela não pode ser interpretada de qualquer maneira. Existem regras! E não é surpresa nenhuma que muita gente faça suas interpretações ignorando todas ou a maior parte delas!

As principais regras são:

A REGRA FUNDAMENTAL  - A Escritura é explicada pela Escritura, ou seja, a Bíblia interpreta a própria Bíblia. Ela não pode se contradizer, exceto quando analisada sob a óptica da REVELAÇÃO PROGRESSIVA. Exemplos da revelação progressiva podem ser vistos claramente no tocante à alimentação do homem (Em Adão e Eva, só legumes; em Noé, acrescenta-se a carne animal; em Moisés, as carnes são divididas em animais limpos e animais imundos; no NT, Deus retira novamente as divisões de imundos e limpos), divórcio (permitido no AT e proibido no NT com poucas exceções de permissão) e casamento (polígamo no AT, monogâmico no NT).

PRIMEIRA REGRA  - Quando for possível, tomar as palavras no seu sentido usual e ordinário.

SEGUNDA REGRA – O primeiro contexto a ser observado é o do sentido da frase.

TERCEIRA REGRA – O segundo contexto a ser observado é dos versos que antecedem e seguem o texto.

QUARTA REGRA - É preciso observar o objetivo do livro, os seus destinatários ou passagem em que ocorrem as palavras ou expressões obscuras. Os livros do AT, por exemplo, foram escritos para JUDEUS e sua cultura; muitos trechos podem não ser imediatamente aplicáveis em nossas culturas.

QUINTA REGRA É indispensável consultar as passagens paralelas, aplicando aqui o sentido da Revelação Progressiva.

SEXTA REGRA Um texto NÃO PODE significar aquilo que nunca poderia ter significado para seu autor ou seus leitores.

SÉTIMA REGRA - Sempre quando compartilhamos de circunstâncias comparáveis (isto é, situações de vida específicas semelhantes) com o âmbito do período quando foi escrita, a Palavra de Deus para nós é a mesma que Sua Palavra para eles.

Existem outras regras que destacamos: 

1. A boa hermenêutica afirma que não se pode criar doutrina baseados unicamente em livros históricos. Estes livros apenas relatam o ocorrido, sem compromisso absoluto com a doutrina. Um exemplo clássico disto é o "conselho de Gamaliel" em Atos: "Mas, levantando-se no conselho um certo fariseu, chamado Gamaliel, doutor da lei, venerado por todo o povo, mandou que, por um pouco, levassem para fora os apóstolos, E disse-lhes: ... Dai de mão a estes homens, e deixai-os, porque, se este conselho ou esta obra é de homens, se desfará. Mas, se é de Deus, não podereis desfazê-la; para que não aconteça serdes também achados combatendo contra Deus" (At 5:34-39). Estas são palavras de uma pessoa não cristã, Gamaliel. O escritor de Atos, Lucas, a cita apenas como dado histórico. Entretanto, muitos crentes a interpretam como doutrina para a Igreja. Na Bíblia, há o relato da fala de homens ímpios e até de Satanás. Deus inspirou os escritores para citarem tais palavras para que tomássemos conhecimento do ocorrido, e não para que usássemos tais palavras como base de doutrina.

2. O mesmo se aplica aos livros poéticos. A escrita dos mesmos tem mais compromisso com a poesia do que com a doutrina. Assim, aqueles que criam doutrinas e chavões baseados no texto que diz que "diante dele, até a tristeza salta de alegria" (Jó 41:22)  erram grosseiramente, pois "tristeza" não salta; é apenas uma expressão de poesia. Além disso, o contexto da frase não está se referindo a Deus, e sim ao leviatã...

3. As doutrinas devem ser criadas a partir de textos neotestamentários, usando os textos veterotestamentários como suporte. Nunca o oposto! Muitas "igrejas" judaizantes praticam a circuncisão, usam shophar e outros elementos e símbolos do AT porque fazem exatamente o oposto ao que ensina a boa hermenêutica...

4. Não se cria doutrina de versículos únicos e/ou isolados! É preciso que vários textos, um correlato ao outro, deem base para a doutrina. Assim, a doutrina de batismo pelos mortos, baseada em 1 Co 15:29, como não tem qualquer outro versículo que lhe dê apoio, não é salutar à Igreja.

Muitas pessoas, como já dissemos, esquecem completamente estas regras. Aplicam costumes judaicos do AT à nossa cultura. Interpretam um versículo como literal, e o versículo seguinte como simbólico.  Analisam versículos isolados, sem observar seu contexto imediato ou global. Interpretam textos inteiros sem considerar a unidade doutrinária da Bíblia ou a sua revelação progressiva... Todas estas violações às boas regras de interpretação comprometem os textos e as conclusões em suas leituras. Todo cuidado é pouco.

7. CONSIDERE A EXEGESE BÍBLICA

A exegese bíblica é a parte mais complexa da interpretação, pois exige o conhecimento da língua original em que o texto foi escrito. Não é para todos, infelizmente, pois no mínimo aquele que busca aplicá-la deve entender o grego bíblico (o grego koinê, língua morta na qual todo o NT foi escrito, e o AT foi traduzido, formando a versão dos LXX ou Septuaginta). 

Para se entender a importância da exegese do NT, destacamos um texto que, interpretado sem a exegese adequada, não traz a verdade do fato à tona Observem as palavras gregas usadas no texto, entre parênteses, e vejam que elas mudam completamente o seu sentido:

E, depois de terem jantado, disse Jesus a Simão Pedro: Simão, filho de Jonas, amas-me (ágape) mais do que estes? E ele respondeu: Sim, Senhor; tu sabes que te amo (philéo). Disse-lhe: Apascenta os meus cordeiros. Tornou a dizer-lhe segunda vez: Simão, filho de Jonas, amas-me (ágape)? Disse-lhe: Sim, Senhor; tu sabes que te amo (philéo). Disse-lhe: Apascenta as minhas ovelhas. Disse-lhe terceira vez: Simão, filho de Jonas, amas-me (philéo)? Simão entristeceu-se, por lhe ter dito terceira vez: Amas-me(philéo)? E disse-lhe: Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo (philéo). Jesus disse-lhe: Apascenta as minhas ovelhas” (Jo 21:15-17).

Percebem a diferença, que só é possível quando conhecemos a língua original? Jesus por duas vezes pergunta se Pedro o ama usando a palavra ÁGAPE (amor profundo), e Pedro só consegue responder que o ama usando a palavra PHILÉO (amor de amigo) Na terceira vez, Jesus abaixa o nível de sua pergunta, usando a palavra PHILÉO, o que entristece Pedro. Pedro não se entristece porque Jesus perguntou TRÊS VEZES se ele O amava (a maioria das pessoas pensam assim), mas porque perguntou nas duas primeiras vezes usando apalavra ÁGAPE, e na terceira vez Jesus usou a palavra PHILÉO...

É importante fazer distinção entre EXEGESE EISEGESE. Nesta última, forçamos o texto a concordar com o que NÓS QUEREMOS que ele diga. Nem preciso dizer que é uma das mais  nojentas formas de se tratar o texto sagrado. Evitem a todo custo!! Aproximem da Bíblia para APRENDER com ela, e nunca para ENSINAR a ela!

Somente os que se aprofundam no estudo da língua original percebem estas nuances. Infelizmente, isto é para poucos. Mas incentivamos que você, que pretende se aprofundar no estudo das Escrituras, adquira livros, dicionários e léxicos, faça um curso, frequente Escolas Bíblicas e busque aprender noções de grego koinê. Vale a pena! Quanto mais nos aproximamos de Deus e da sublimidade das Escrituras, mais vislumbramos as maravilhas da obra e do Seu Autor!

8. USE O BOM SENSO

Jesus foi a pessoa que mais usou este requisito aí ao interpretar a Lei. Quando trouxeram uma adúltera, que teria que ser punida com a lapidação (apedrejamento), ele surpreendeu a todos e usou o bom senso, aplicando misericórdia e isonomia: se todos eram iguais no ambiente, por que só uma pessoa seria apedrejada?? Somente Ele podia se enquadrar no princípio do "quem estiver sem pecado, atire a primeira pedra", e misericordiosamente decidiu não aplicar o princípio da punição, mas o do bom senso misericordioso: "nem eu tampouco te condeno... Vai e não peques mais!". Quando O criticaram por frequentar a casa de pecadores, de beber vinho e outras coisas mais que aparentemente feriam a Lei mosaica e os bons costumes da santidade, Ele sempre deixou claro que o bom senso deveria ser o fiel da balança na vida dos Seus seguidores. Ele, o Médico, veio para curar os doentes.

Lamentavelmente, este bom senso tão usado pelo Mestre foi quase que totalmente extinto do nosso meio! Mas precisa ser reaplicado no meio da Igreja, e com pressa! Para se ler e interpretar as Escrituras, faz-se necessário ao menos uma pitada deste ingrediente! 

Primeiro, a Igreja carece do bom senso de voltar urgentemente às Escrituras, mormente às neotestamentárias. Vivemos, afinal de contas, a Nova Aliança, e a Antiga, disposta no AT, foi cumprida por Jesus, que por sua vez instituiu a Nova com base em Sua carne e Seu sangue. Mas falta a muitos este senso inicial de que vivemos na Nova Aliança, aonde elementos judaicos (embora tenhamos respeito por esta religião, berço do Cristianismo) foram abolidos do culto e das normas de conduta, do corpo doutrinário e usos e costumes da Igreja. Portanto, precisamos do bom senso de compreender e absorver a verdade de que não precisamos interpretar o NT pelo AT, e sim o contrário. O Novo testamento é que deve ser a base de nossa fé equilibrada.

Segundo, a Igreja precisa utilizar o bom senso nos casos aonde a Bíblia, e principalmente o Novo Testamento, não deixa claro qual seja a conduta a ser aplicada à Igreja. Precisamos compreender que nas coisas aonde a Bíblia não é clara, o Senhor nos deixou o arbítrio de escolhermos qual a melhor conduta a ser aplicada, desde que usado o bom senso! Um exemplo: a Bíblia nada fala acerca de o crente praticar esportes. Deixa-lhe a liberdade de escolher se o fará, ou não. Entretanto, os Atletas de Cristo passaram por grandes perseguições nos anos de 1970 e 1980, quando surgiram no cenário brasileiro... Quem os perseguia, criticava e condenava, embora sem base bíblica para isso? Os não-crentes? Não... Os crentes, as igrejas...

Terceiro, a Igreja do Senhor Jesus é terrivelmente ridicularizada nos meios ímpios exatamente por sua falta de bom senso... Fora de qualquer parâmetro escriturário são criadas formas de extorsão financeira, em forma de dízimos, trízimos, ofertas, campanhas e outros expedientes; cargos, posições e títulos são criados, e líderes inescrupulosos e com sede de poder, autoridade e intocabilidade se apoderam deles; pastores, bispos, “apóstolos”, televangelistas e outros enriquecem a olhos vistos, aproveitando-se do caixa da Igreja; doutrinas esdrúxulas, costumes estranhos e bagunça generalizada têm sido a marca registrada de muitas “denominações”; sincretismos, ecumenismo, mundanismo e idolatria já fazem parte de nosso meio; cantores e “levitas” conduzem, estimulam e fomentam o erro através de seus “hinos” e práticas. E os que se levantam contra tais coisas, tentando reconduzir a Igreja à sã doutrina, são execrados e xingados, muitas vezes com palavras de baixo calão mesmo...

Quarto, tenha o bom senso de analisar a vida dos apóstolos e do próprio Senhor Jesus. Cuidado com doutrinas e práticas que não vemos na vidas destes. Ora, se Jesus e os apóstolos não praticavam tal doutrina, por que ela deveria ser praticada pela Igreja de nossos dias?

A maior parte dos problemas doutrinários de nossos dias se resolveria com uma coisa simples... BOM SENSO... O antigo e bom "Semancol", o medicamento fictício que, devidamente administrado, resolveria pelo menos 80% dos problemas da Igreja!

Você é convidado a ler a Bíblia, compreendê-la, interpretá-la corretamente e transmitir tudo o que você aprendeu, ensinando com responsabilidade, formando novos discípulos de Cristo nesta geração Laodicéia. Topas? Mas não deixe de seguir os conselhos acima. Deus te abençoe nesta empreitada!!

3 comentários:

  1. Nossa!! Não sei quantos pediram isso a Deus, eu pedí!!
    Ouso dizer que Deus o inspirou a escrever este ensino, para mim!!
    Deus abençoe, o inspire cada dia mais. Vou colar no seu blog e aprender muiiiito!
    Até mais! Paz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Ediene, muita bondade sua. Soli Deo Gloria.

      Excluir
  2. Deus te abençoe Zilton.

    Muito necessário este texto e esta leitura!

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita ao meu blog. Fique a vontade para comentar os arquivos aqui postados. Eis as regras:

1. Aqui se criticam IDEIAS e ATITUDES ERRADAS, e não PESSOAS. Se você está a fim de criticar pessoas, seu lugar não é aqui.

2. Pode discordar a vontade das minhas ideias e postagens. Eu não sou o dono da verdade, e quero aprender com você. Mas quando o fizer, use linguagem respeitosa, apresente embasamento bíblico dentro do contexto, e/ou uma argumentação lógica e equilibrada;

3. Identifique-se, pois dificilmente eu publicarei postagens anônimas, exceto as que eu achar convenientes e pertinentes;

4. Não xingue! Não use palavras de baixo calão! Não me venha com frases burras do tipo "não toqueis nos ungidos", "não julgue para não ser julgado",e outros argumentos bestas, de quem não tem argumentação e quer calar os opositores na marra. Não me dobro diante de argumentos desta qualidade!

5. Não toque no passado das pessoas, seja o meu ou de quem quer que seja, com o intuito de tentar desmoralizar, mesmo que sejam as pessoas que eu estou criticando!. Eu tenho um passado podre, se vc não sabe, mas ele está debaixo do sangue de Jesus, e nenhuma condenação há para mim. O mesmo se aplica a qualquer um, mormente aqueles que já afirmaram ter se arrependido.

Deus te abençoe!