segunda-feira, 2 de setembro de 2013

UNGINDO COM ÓLEO... DE PEROBA

Uma “vergonha gospel” que me lembro ter assistido foi o vídeo postado, já há algum tempo, no Youtube, aonde um pastor, ajoelhado, é “ungido” com aproximadamente doze litros de “óleo ungido”. Outros vídeos e fotos mostram "pastores" derramando uma garrafa inteira de óleo sobre suas próprias cabeças. Até uma famosa cantora gospel aderiu à nova onda, ungindo CDs e DVDs, músicos de sua banda etc... A verdade é que o azeite da unção, que o próprio Deus determinou que fosse feito e deu a fórmula para o seu feitio (Ex 30:22-33) virou um produto qualquer, que nas mãos de pessoas descompromissadas com os princípios dispostos nas Escrituras é usado para transmitir credibilidade aos “líderes pseudopentecostais” e como coadjuvante em suas cenas de teatro para iludir os espectadores.



Nosso objetivo não é desmoralizar pregadores. Isto é coisa que eles já fazem muito bem! Buscamos, sim, restaurar o verdadeiro culto da Igreja e ensinar o padrão das Escrituras. Assim sendo, permitam-me analisar a questão.
A VISÃO BÍBLICA
Em primeiro lugar, é importante compreendermos que a Igreja do Senhor Jesus é regida pela Nova Aliança, e não pela Antiga. A unção de pessoas e até mesmo de alguns objetos não é referendada no Novo Testamento, de sorte que as únicas previsões bíblicas na Nova Aliança para o uso do azeite para unção eram [1] as finalidades médicas (Lc 10:34) e [2] a unção de enfermos, que deveria ser feita pelos presbíteros (Tg 5:14), e não por qualquer pessoa. Além disto, a unção dos enfermos conforme é tratada por Tiago, irmão do Senhor, não concede a prerrogativa da cura ao azeite, e sim à oração da fé (Tg 5:15), o que nos leva a concluir que não há no azeite qualquer poder curativo ou capacidade de conceder autoridade espiritual.
A Igreja precisa compreender de uma vez por todas que o Antigo Testamento é SOMBRA das coisas futuras, que seriam concretizadas em Cristo Jesus e na Nova Aliança por Ele instaurada (Hb 10:1; Hb 8:5; Cl 2:16-17). Quando víamos no AT um rei sendo ungido, era um sinal visível da descida do Espírito Santo sobre ele (1 Sm 10:1-12; 1 Sm 16:13) e uma “sombra” daquilo que ocorreria na Nova Aliança do Messias. Esta “sombra” se concretizou no dia de Pentecostes, quando o Espírito Santo desceu sobre toda a Igreja (At 2). Enquanto no AT poucas pessoas tinham o Espírito Santo, no NT todos os crentes nascidos de novo têm o Espírito Santo, desde o momento de sua conversão a Jesus Cristo. Logo, não é mais necessária a unção de pessoas para que recebam o Espírito, ou qualquer tipo de poder especial.
Jesus, em todo o seu ministério, parece não ter utilizado azeite, ou pelo menos a Bíblia não descreve que Ele usou. Não ungiu os doze apóstolos, mas apenas os designou e deu autoridade (Mc 3:13-19), e nem ungiu enfermos, mas impunha-lhes as mãos (Mc 5:23). Os apóstolos por sua vez ungiam apenas os enfermos (Mc 6:13). Tiago deixa claro que são os presbíteros quem têm autoridade para ungir os enfermos (Tg 5:14). Quando analisamos a “unção” de obreiros no NT, vemos que o azeite não é usado em nenhum momento, mas sim a simples imposição de mãos (At 13:1-3; 1 Tm 4:14, 5:22). O uso de azeite na Nova Aliança ficou, portanto, restrita à unção dos enfermos ministrada pelos presbíteros.
O ÓLEO
O uso de azeite para a unção dos corpos era prática comum em Israel. O azeite era usado para preparar os corpos para o sepultamento, e era usado na rotina da higiene pessoal das pessoas. Na Bíblia vemos pessoas se ungindo com azeite, usando-o como perfume (Rt 3:3; 2 Sm12:20). Não derramando sobre a cabeça, mas aplicando no corpo todo, inclusive na cabeça, numa forma de limpeza e hidratação corporal, além de ser um tipo de gel para pentear cabelos. Jesus critica os fariseus que quando jejuava não se ungiam, numa forma de demonstrar que estavam jejuando, e nos orienta: “tu, quando jejuares, unge a tua cabeça, e lava o teu rosto” (Mt 6:17), agindo de forma de discreta, não demonstrando estar jejuando. Em tempo: o texto não é base para, em dias de jejum, o crente pegar azeite e se ungir, mas para se higienizar normalmente (banho, escovação dentária, uso de perfume etc).
Quando Deus, no Antigo Testamento, ordenava para um profeta proceder a unção de alguém, a coisa era diferente. A unção se dava com o derramar de azeite sobre a cabeça, simbolizando a escolha de Deus e a descida do Espírito Santo sobre a pessoa.
Este azeite da unção divina não era qualquer óleo! Não é azeite comum, comprado em supermercados, e nem azeite “santo” comprado em Israel. A lei determinava sua fórmula (Ex 30:23-25), seu uso (Ex 30:26-30) e suas restrições de uso (Ex 30:31-33), as quais descrevemos:
E falarás aos filhos de Israel, dizendo: Este me será o azeite da santa unção, nas vossas gerações. Não se ungirá com ele a carne do homem, nem fareis outro semelhante, conforme à sua composição: santo é, e será santo para vós. O homem que compuser tal perfume como este, ou que, dele, puser sobre um estranho, será extirpado dos seus povos
Pode-se ver na descrição bíblica que não se tratava de um azeite comum, mas de algo especial e sagrado, que não poderia ser usado sem critérios, como vemos no uso dos “azeites gospels” nos dias de hoje. É até lamentável que as igrejas distribuam frascos de azeite entre o povo, ou que eles o comprem em lojas gospel, pois o seu uso é restrito desde os tempos do AT, por determinação do próprio Senhor, e permanece restrito nos dias de hoje, de acordo com as Escrituras.
A unção do citado pastor, que ele mesmo denomina no vídeo como “a unção de Aarão” em uma alusão ao Salmo 133, é no mínimo uma falta de conhecimento bíblico. O texto menciona o nome de Aarão exatamente porque trata da unção de sacerdotes, e não de seu uso comum e corriqueiro. O azeite da unção foi criado para ungir os objetos do Tabernáculo da Antiga Aliança e os seus sacerdotes, que é o caso específico do Salmo em questão. Jamais para ungir sacerdotes ou quaisquer outras pessoas ou objetos na Nova Aliança.
Ademais, aonde encontramos na Bíblia relatos de alguém UNGINDO A SI MESMO ou ordenando que outras pessoas o unjam?  A unção veterotestamentária se dava sempre pela iniciativa de Deus, o Dono do Azeite. Observe-se que Samuel NÃO QUERIA ungir um substituto para Saul, e até tentou pôr obstáculos para isso (1 Sm 16:1-2), o que nos mostra que quem manda ungir é Deus, e nunca é o profeta que decide a quem, quando e como vai ungir alguém!
SEU USO NAS UNÇÔES DOS REIS
Somente três reis em Israel têm em suas biografias relatos de unção: Saul (1 Sm 10), Davi (1 Sm 16) e Jeú (1 Rs 19:16). Se analisadas as unções criteriosamente, veremos que a unção de Saul e Davi se deu em função da transição entre o ministério de Samuel e a implantação do reino (inclua-se aí a rejeição de Saul e a eleição de Davi), e a de Jeú como quebra de uma dinastia em Israel e a aniquilação da casa de Acabe. Logo, não era uma prática comum a unção, nem mesmo no AT.
A FÉ ANIMISTA DO NEOPENTECOSTALISMO
O que acontece na maioria das igrejas neopentecostais é que está-se estabelecendo uma fé animista para a igeja. O animismo consiste em tornar alguns objetos como canalizadores de poder, de sorte que o crente tenha algo que veja e toque, que o “ajude” a ter fé. São, na verdade, objetos que emanam poder.
Este animismo é uma porta escancarada para a idolatria. Faz parte da natureza do homem querer “ver Deus” e tocar no sagrado. Neste afã ele faz ídolos, símbolos religiosos e atribui aos elementos da sua fé um poder sobrenatural. Entretanto, desde o AT o Senhor proíbe a fabricação de ídolos (Ex 20:4-5), deixa claro que não cabe ao homem especular acerca da Sua fisionomia (Dt 4:12-19) e deixa os objetos de culto e liturgia (inclusive o azeite da unção!) sob a exclusiva competência dos sacerdotes e levitas, exatamente para evitar que o homem, começando pelo animismo pagão, desemboque na franca idolatria. Quando Israel entrou na terra prometida, a própria Bíblia afirma que "naqueles dias não havia rei em Israel; cada qual fazia o que parecia direito aos seus olhos" (Jz 17:6), e foi quando os ídolos e as práticas contrárias a lei foram estabelecidas. Quando não há uma liderança que defina o caminho a seguir, o povo se corrompe, e quando esta liderança não se baseia na Palavra de Deus, idem! É exatamente assim que funciona o princípio neopentecostal: não precisa de Bíblia para "limitar Deus", então podemos fazer o que bem entendermos! Portanto, vamos inserir elementos animistas para aumentar a fé do povo! Entretanto, este animismo não aumenta a fé de ninguém, antes a diminui, pois a canaliza para as coisas erradas. Ao invés da fé simples e eficaz em Cristo ena Sua obra redentora, crê-se em qualquer coisa, desde inocentes rosas ungidas aos "higienicamente incorretos" lenços suados, e se esta "fé de muletas" der resultado, é a prova definitiva que é o certo... Deixemos, pois, a Bíblia! Ela só pode estar errada e ultrapassada!

Foi assim também que começou a apostasia na igreja primitiva: primeiro, com as relíquias dos santos, passando pelas gravuras sob a alegação de que serviriam para os crentes analfabetos entenderem as passagens bíblicas, e finalmente culminou com a fabricação das imagens dos mesmos, que perduram até hoje no catolicismo. Tudo começou com um inocente animismo, e desembocou na franca idolatria!

E o pior: muitos elementos do animismo pagão têm entrado na igreja evangélica como Pilatos entrou no credo! Hoje encontramos elementos até da umbanda e candomblé nas igrejas chamadas “neopentecostais”, como sal grosso, galhos de arruda etc, num sincretismo antibíblico que não tem qualquer justificativa à luz das Escrituras! Literalmente, há fogo estranho no altar e ninguém enxerga! ou não quer enxergar, enquanto este fogo estranho atrai dinheiro...
Entendemos que realmente algumas pessoas precisam de algo “palpável” para pôr sua fé em prática. São os chamados na Bíblia de “meninos na fé”. São pessoas que ainda não amadureceram o suficiente para entender a suficiência de Cristo e de Sua obra, e discernir o bem e o mal (Hb 5:12-14). No livro de Atos vemos exemplo de pessoas se aproveitando deste animismo: a sombra de Pedro passou a ser concorrida pelos enfermos e endemoninhados que buscavam a libertação de seus males, mas tal prática não é descrita no Texto Sagrado como o método bíblico para se alcançar curas e libertações, mas como uma demonstração da intensidade do poder de Deus presente na vida do apóstolo (At 5:15-16). Vemos também alguns objetos que eram tocados por Paulo serem usados também para cura e libertação (At 19:12), mas a Escritura também apenas relata o fato, mas não PRESCREVE como prática da Igreja, e nem afirma que estas coisas eram feitas com o consentimento dos apóstolos. Tanto no caso de Pedro quanto no de Paulo eram coisas que ocorriam FORA DA IGREJA, nas ruas, o que nos indica que não era prática interna da Igreja.
Paulo em dado momento afirma: “Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino; mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino” (1 Co 13:11). Isso se aplica perfeitamente ao animismo gospel. É coisa de menino, e não é isso que Deus deseja para Seu povo! Mas infelizmente é a prática de muitos pastores da atualidade, que desejam manter os crentes presos a eles, dependentes deles, evitando ao máximo a sua independência espiritual, a prática saudável do sacerdócio que Cristo concedeu a cada crente na Nova Aliança.
Deus anseia que o crente tenha plena comunhão com Ele, e exerça a fé sem a necessidade de amuletos e patuás. Não precisamos de rosas ungidas, azeites, sal grosso, terra de Israel ou água do rio Jordão. Precisamos da fé em Cristo, do poder que Ele mesmo nos outorgou. Precisamos crescer, e deixar de ser meninos na fé (1 Co 3:1-2; Hb 5:12-14). Jesus Cristo e Sua obra no Calvário são suficientes! Ou o Cristo dos pseudopentecostais é tão fraco que precisa de algo para operar o milagre? Ou os seus “ungidos” são tão medíocres que precisam de um barril de óleo para mostrar ao mundo e aos seus seguidores que têm unção?

7 comentários:

  1. Zilton, muito bom te conhecer e conhecer esta tua casa. Parabéns pelo ótimo blog e pelo estudo.

    Abraços sempre afetuosos.

    ResponderExcluir
  2. muito bom através de seu blog posso aprender mais porque é preciso viver a palavra e muitos brincam com a palavra não sei se é por não entender ou querem aparecer é complicado isso mas agradeço a Deus por aqueles que faz a coisa certa..

    ResponderExcluir
  3. Excelente artigo. Continue combatendo as heresias!

    ResponderExcluir
  4. Exatamente, hoje em dia é um tal de ungir fotos, ungir casas, carros, canetas, já vi gente que diz ungir a TV para não absorver coisas ruins, é mole?
    E o tal de "ungir os umbrais" pra mim é o pior de tudo, estão costurando o véu na cara de pau, desprezando a obra sacrifical de Jesus. É o cúmulo, é muita ignorância bíblica.

    ResponderExcluir
  5. Partilho as previsões de Aline, da Cidade das Pirâmides, para o ano de 2013. Impressionante como ela acertou!São três programas imperdíveis. Confira http://youtu.be/hJV1qZWTtF0 . Caso desejarem visitem também o Blog:
    http://deolhonomundoblog.wordpress.com/ Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Acho q Tiago fala so' em sentido figurado,e nao de fato,com o proprio oleo. Acho q e' mais sensato assim entender essa questao.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito na literalidade, mas como se trata de versículo único versando sobre o tema, e a boa hermenêutica nos ensina a não definirmos doutrina baseada em versículos isolados, não se trata de tema capital de nossa fé.

      Excluir

Obrigado por sua visita ao meu blog. Fique a vontade para comentar os arquivos aqui postados. Eis as regras:

1. Aqui se criticam IDEIAS e ATITUDES ERRADAS, e não PESSOAS. Se você está a fim de criticar pessoas, seu lugar não é aqui.

2. Pode discordar a vontade das minhas ideias e postagens. Eu não sou o dono da verdade, e quero aprender com você. Mas quando o fizer, use linguagem respeitosa, apresente embasamento bíblico dentro do contexto, e/ou uma argumentação lógica e equilibrada;

3. Identifique-se, pois dificilmente eu publicarei postagens anônimas, exceto as que eu achar convenientes e pertinentes;

4. Não xingue! Não use palavras de baixo calão! Não me venha com frases burras do tipo "não toqueis nos ungidos", "não julgue para não ser julgado",e outros argumentos bestas, de quem não tem argumentação e quer calar os opositores na marra. Não me dobro diante de argumentos desta qualidade!

5. Não toque no passado das pessoas, seja o meu ou de quem quer que seja, com o intuito de tentar desmoralizar, mesmo que sejam as pessoas que eu estou criticando!. Eu tenho um passado podre, se vc não sabe, mas ele está debaixo do sangue de Jesus, e nenhuma condenação há para mim. O mesmo se aplica a qualquer um, mormente aqueles que já afirmaram ter se arrependido.

Deus te abençoe!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.